fbpx

Notícias

A medicina do futuro nos Congressos de Gestão Hospitalar e de Gestão da Saúde Pública

O médico Luiz Cláudio Marrochi foi um dos palestrantes do segundo dia dos Congressos de Gestão Hospitalar e de Gestão da Saúde Pública

O II Congresso Brasileiro de Gestão Hospitalar Privada e o III Congresso de Gestão da Saúde Pública finalizaram sua série de palestras com assuntos de grande interesse de gestores hospitalares e médicos. Entre os diversos temas, destacam-se as palestras Desospitalização e análise preditiva: medicina do futuro, proferida pelo médico Luiz Cláudio Rodrigues Marrochi, geriatra e presidente da Saúde Care, e Método Lean: O que tem valor para o paciente-cliente? Processos enxutos na área hospitalar, aula de Andréa Prestes, consultora do Hospital Estadual de Goiás.

Um dos assuntos abordados por Marrochi foi a importância do SUS para a saúde pública brasileira, sobretudo no tocante à integração município, estado e união. Ele explica que segundo estudos de autores internacionais, o Sistema Único de Saúde é um dos melhores sistemas públicos de saúde do mundo, mesmo com todas suas dificuldades. “A desospitalização não se dá com a alta médica, com apenas uma receita do médico e medicamentos. Hoje, trabalhamos com uma alta qualificada. Não podemos mandar para casa um paciente de Alzheimer, por exemplo, se não temos uma análise completa da sua situação de saúde, realizada por toda uma equipe multidisciplinar, como, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, psicólogos, enfermeiros, entre outros”, explica.

O médico enfatiza a importância dos hospitais e clínicas estarem municiados com programas de qualidade, de gestão hospitalar e tantos outros, fundamentais para uma alta organizada, que objetiva a coordenação de cuidados também no pós-alta. Todas essas atenções hospitalares evitam readmissões, pioras clínicas e eventos adversos. O home care colabora nesse processo, deixando, se for o caso, os pacientes melhor acomodados em suas próprias casas.

O palestrante informa que, segundo pesquisas realizadas pelo Qualiss, programa da Agência Nacional de Saúde (ANS), até 20% das altas hospitalares no Brasil são readmitidas. Nos Estados Unidos, o índice de readmissão é de 5%. “Quanto maior o índice de readmissão, pior é a qualidade da alta. Claro, que cada caso é um caso, mas o importante é fazer com que este índice seja cada vez menor”, pontua o médico.

Método Lean: O que tem valor para os pacientes-cliente?

A palestra de Andréa Prestes, consultora do Hospital Estadual de Goiás (Hugol) falou da importância da utilização do Projeto Lean na Urgência e Emergência do Hospital, realizada desde agosto de 2017, com resultados excelentes.

O termo Lean foi criado na década de 1980, a partir de um projeto de pesquisa do MIT (Massachusetts Institute os Technology), sobre a indústria automobilística. Nos últimos quinze anos, o sistema Lean vem sendo empregado nos segmentos da saúde, contribuindo com resultados expressivos, gerando economia de recursos e financeira associada a aumento da qualidade dos serviços prestados. Os benefícios na saúde envolvem ganhos que vão desde a melhoria na segurança dos processos, a jornadas clínicas mais rápidas, simples e de qualidade. A filosofia está diretamente ligada aos conceitos de qualidade e ferramentas de gestão em qualidade, conferindo a integração das atividades e identificação de suas correlações, buscando e eliminando atividades que não agregam valor.

O hospital, criado em 2015 e relativamente novo, já contava com os problemas de um grande hospital como superlotação na urgência e emergência e desperdícios entre outros itens. Com a implantação do Lean, em agosto de 2017, alguns problemas foram diagnosticados, com sugestões de solução, utilizando o projeto Lean, cujo princípio é o processo contínuo da busca da perfeição. “Não nos ativemos apenas na Urgência e Emergência do Hospital, necessitamos implantar a filosofia do projeto também em outros setores como o de leito e a Unidade de Tratamento Intensiva, já que a integração entre esses setores é de importância fundamental”., diz a palestrante.

Os custos de saúde hoje representam 8,8% do PIB nacional e 30% deste índice é de desperdícios de valores que consomem energia e recursos. A utilização do processo Lean no Hugol se deu em diversas etapas da gestão com o objetivo de melhorar o fluxo de atendimento, desde o mapeamento deste fluxo, sob a ótica da perspectiva do cliente e do negócio, passando pela diminuição do tempo de espera, pela agilidade e eficiência, o que, certamente, controla os riscos. Até mesmo a mudança de layout do hospital foi realizada para facilitar o movimento, evitando deslocamentos do paciente. “Toda essa metodologia executada através do Lean fez com que as reclamações que chegavam a 27 por mês, baixassem para uma média de duas, comprovando a satisfação dos nossos pacientes”, finaliza Andrea.

Assine nossa newsletter

Receba as principais notícias do setor e saiba em primeira mão as novidades da Expo-Hospital Brasil 2018.

Contato

(31) 3568-3350 | 3568-3370
(31) 3568-3374 | 3568-3339
Rua Araguari, 359 - Barro Preto
Belo Horizonte - MG
This error message is only visible to WordPress admins

Error: API requests are being delayed for this account. New posts will not be retrieved.

There may be an issue with the Instagram Access Token that you are using. Your server might also be unable to connect to Instagram at this time.

Error: No posts found.

Make sure this account has posts available on instagram.com.

Error: admin-ajax.php test was not successful. Some features may not be available.

Please visit this page to troubleshoot.